O Deus que Vê

[Read the devotional «The God Who Sees» in English.]

Agar era uma escrava que Abrão adquiriu enquanto esteve no Egito. Ela foi designada para servir Sarai, mulher de Abrão, e tenho a certeza, que ela era muito bonita. Como Sarai era estéril e já com bastante idade, ela sugeriu que Abrão tomasse Agar como sua segunda esposa e tivesse um filho através dela. Depois assumiriam a criança como sendo deles, e resolviam assim o problema da sua esterilidade. Abrão concordou e em um curto espaço de tempo, Agar engravidou. Por causa disto, Agar sentiu que a sua posição, agora, tinha sido elevado acima da sua senhora e começou a desprezar Sarai.

Sarai queixou-se ao seu marido e Abrão deu-lhe permissão para fazer com Agar o que desejasse. Isto fez com que Agar fosse muito mal tratada por Sarai, e por isso Agar fugiu. Esta história é contada no capítulo 16 de Gênesis e é muito honesta na descrição das falhas de Agar e Sarai. Estou certo de que as duas mulheres se sentiram justificadas nas suas atitudes e ações, mas foi Agar que se encontrou na estrada de volta para o Egito; uma mulher magoada, rejeitada e derrotada.

Foi neste estado que o “Anjo do Senhor” a encontrou. Esta é a primeira vez que surge a expressão, “Anjo do Senhor” nas Escrituras e quando comparada a outras situações em que surge a mesma expressão, só se pode supor que ele não é outro senão Cristo pré encarnado. Ele aproxima-se de Agar e faz esta pergunta: “De onde vens e para onde estás a ir?.” Ela foi capaz de responder à primeira pergunta, mas hesitou na segunda. O desamparo e fragilidade de Agar, rapidamente se tornaram evidentes. Ela não tinha nenhuma direção, só estava a fugir do seu passado.

A palavra do Senhor para ela não era a que ela esperava ou desejava. A palavra foi para retornar à sua senhora e submeter-se a ela. Ela teve que enfrentar o seu passado. Ela teve que enfrentar a sua rebelião e arrogância. Agar teve de submeter-se às circunstâncias que não gostava, mas com a certeza de que Deus iria resolver as coisas.

Quando Deus me encontrou vagueando pela Europa, fugindo dos problemas que eu tinha criado no Alasca, Ele enviou-me para trás. Eu tive que fazer as pazes, pedir perdão àqueles a quem tinha feito algo de errado e pagar àqueles a quem eu tinha roubado. Ao retornar e submeter-me, eu pude, então, ir para a frente. Com a ordem para voltar, veio a promessa da bênção. Teria sido desastroso para Agar e para a criança em seu ventre se ela tivesse continuado a vaguear no deserto.

Ao regressar, a criança foi salva, o comportamento de Sarai suavizou para com ela e a promessa que lhe foi dada cumprida. O filho de Agar, Ismael, cresceu sob a proteção e provisão do seu pai e quando ele foi enviado para fora, foi pai de doze filhos, que se tornaram os chefes das nações árabes. A localização deste encontro divino foi em um poço, num lugar entre Cades e Berede. Cades significa santidade e Bered significa granizo ou julgamento. Este é o lugar da graça. Agar chamou este lugar: “Beer-Laai- roi”, que significa “Aquele que vive e me vê”. A Versão Árvore da Vida traduz o versículo 13 desta forma.

“O Deus que vê”, pois dissera: “Será verdade que eu vi Aquele que me vê?”. Ela tinha fugido do seu passado, mas o desejo do seu coração era encontrar alguém que cuidasse dela.

Quando nos começamos a desviar do local das bênçãos de Deus, como Agar fez, em direção ao julgamento, Deus encontra-nos no poço da graça. Ele tem olhado por nós o tempo todo e ele tem um plano para o nosso futuro. Deus vê-nos.

Escrituras Para Meditar
Génesis 16; Salmo 56:8; 91:1-2; 139:1; I Reis 19:1-18

Publicado por

Pr. James Reimer

Pr. James Reimer

James Reimer nasceu em Fairbanks, Alaska, EUA. Apesar de ter sido criado num lar cristão, ele envolveu-se no tumulto da década de 60 e entrou na subcultura das drogas. Na véspera de 1971, em Starnberg, Alemanha, a sua vida mudou radicalmente ao ter um encontro com Jesus Cristo. Leia a biografia completa