Sair das Profundezas

[Read the devotional «Out Of The Depths» in English.]

A palavra hebraica para os Salmos é Tehilim, que significa “canções de louvor”. Ao ler isto, esperamos encontrar principalmente canções de louvor e de glorificação a Deus, e há muitas. Elas servem de inspiração para hinos e canções usadas pelo povo de Deus ao longo dos tempos. No entanto, há outra categoria de salmos que são tão comuns quanto os cânticos de louvor, são os salmos de lamento. Estes reflectem dor e lágrimas de sofrimento e muitos expressam lamentos e queixas diante de Deus.

Como no livro de Jó, levantam-se as seguintes perguntas: “Por que escondes a tua face, te esqueces da nossa miséria e da nossa opressão?” (Salmo 44:24), ou “Deus meu, Deus meu, por que me desamparaste?” (Salmo 22:1). Muitas vezes, questionei porque tanta dor humana, descrença e protesto são articulados diante de Deus e expostos tão abertamente nas Escrituras. Creio que a resposta é que Deus não quer somente que venhamos a Ele nos nossos tempos de louvor, mas também nos nossos tempos de desespero e agonia.

Embora a maioria das Escrituras sejam as palavras de Deus para nós, aqui nestes Salmos são as nossas palavras para Ele, onde expressamos as experiências amargas ou doces da vida. Nada é muito secreto para ser escondido de Deus. Ele sabe disso de qualquer maneira. Podemos sentirmo-nos confortados por sabermos que Ele está tão envolvido connosco, nas nossas dores, dúvidas, medos e agonias, assim como na nossa felicidade, segurança, prosperidade e fé.

A honestidade é a melhor base para todos os relacionamentos humanos. Ninguém gosta de hipocrisia e falsidade, especialmente Deus. Isaías 29:13, diz: “Pois que este povo se aproxima de mim, e com a sua boca, e com os seus lábios me honra, mas o seu coração se afasta para longe de mim.” O louvor vazio e falso é abominável para Deus. O lamento honesto é melhor do que o falso elogio.

Somos encorajados a aproximar-mo-nos de Deus com tudo que está nos nossos corações. Ele não se escandaliza com as nossas “profundezas”. Ele não vai voltar as Suas costas quando duvidarmos. Não precisamos apresentar uma imagem de vitória, colando um sorriso no nosso rosto, quando nos apresentamos diante d´Ele. Desabafa.

Os Salmos reflectem a realidade da existência humana. A vida não é um “mar de rosas” o tempo todo. Há momentos em que passamos pelo “vale da sombra da morte” (Salmo 23:4). E há tempos de “pastos verdes e águas tranquilas” (Salmo 23:2). Em cada uma das experiências da vida, Deus promete estar connosco. Os lamentos, nos Salmos, ajudam-nos a encontrar o nosso caminho das “profundezas” para o nosso Senhor.

Deus permitiu que Elias se queixasse e expressasse os seus medos enquanto fugia da ira da rainha Jezabel. Lá, escondido numa caverna no monte Horebe, Elias desnudou a sua alma diante do Senhor. Ele sentia-se sozinho, desprezado e derrotado, mas Deus estava lá. Quando Deus sussurrou, Elias saiu das profundezas. Ele recebeu uma nova direção e a sua força foi restaurada.

Os lamentos e o louvor fazem ambos parte da vida. Do “eu posso fazer todas as coisas, através de Cristo que me fortalece”, para, “Deus, onde estás?”, ambos têm o seu lugar na nossa mera mortalidade. Deus não está em silêncio nestes tempos.

Apenas silencia a tua alma por um momento e ouve; Ele está sussurrando: “Não temas… quando passares pelas águas estarei contigo; e quando pelos rios, eles não te submergirão; Quando passares pelo fogo, não te queimarás, nem a chama arderá em ti… porque eu estou contigo”(Isaías 43:1,2,5).

Escrituras Para Meditar
Salmo 22:1; 23; 44:24; Isaías 43:2; Filipenses 4:6; Romanos 8:39; I Reis 19:1-18

Publicado por

Pr. James Reimer

Pr. James Reimer

James Reimer nasceu em Fairbanks, Alaska, EUA. Apesar de ter sido criado num lar cristão, ele envolveu-se no tumulto da década de 60 e entrou na subcultura das drogas. Na véspera de 1971, em Starnberg, Alemanha, a sua vida mudou radicalmente ao ter um encontro com Jesus Cristo. Leia a biografia completa