Os Fariseus

Alguns dos maiores inimigos de Jesus, quando Ele ministrava e ensinava, foram os Fariseus e os Saduceus de Israel. Estes grupos eram os mais devotos a Deus e os mais religiosos. Eram fervorosos na oração e no jejum. Estavam sempre na “igreja” e sempre a estudar as Escrituras.

As palavras mais duras de Jesus não foram dirigidas ao sistema político do império Romano, com a sua corrupção e paganismo. Jesus não criticou os pecadores, nem mesmo maltratou, ou marginalizou, as pessoas que eram controladas por espíritos malignos. Jesus falou palavras severas aos mais devotos do sistema religioso. Estes grupos eram os Fariseus e os Saduceus, que hoje em dia, podemos rotular como “Igreja Cristã”.

A expressão que frequentemente vem ao meu pensamento é: «Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas! Pois que sois semelhantes aos sepulcros caiados, que por fora realmente parecem formosos, mas interiormente estão cheios de ossos de mortos e de toda imundícia.», (Mateus 23:27),

Será que somos assim? Será que nos temos sacrificado, dedicado as nossas vidas à obra de Deus, mas na verdade estamos mortos por dentro e somos repudiados por Jesus?

Deus procura adoradores que O adoram em espírito e em verdade. Adoração é apresentar um sacrifício ao Senhor e deixar que Deus consuma esse sacrifício, tal como Abraão se propôs a fazer com Isaque. A nossa adoração tem que vir de um coração sincero, sem misturas e falsidade. A nossa adoração tem que ser verdadeira. Algo que é verdadeiro, é algo que custa muito para adquirir, é o nosso maior tesouro.

«Deus, que esta falsidade nunca tome morada no nosso coração e na nossa adoração. Renunciamos todo o espírito religioso, esse mesmo espírito que estava com os Fariseus e que tentou matar Jesus.»

[Publicado no Atalaia de 21/05/2017,]