70 × 7

Então Pedro, aproximando-se dele, disse: Senhor, até quantas vezes pecará meu irmão contra mim, e eu lhe perdoarei? Até sete? Jesus lhe disse: Não te digo que até sete; mas, até setenta vezes sete.
— Mateus 18:21-22

Neste versículo vemos uma realidade que se constata desde a criação. A dificuldade do homem finito em servir o Deus Infinito. Vemos a necessidade de Pedro em saber até quantas vezes deveria perdoar, até onde deveria ir para cumprir o necessário. Depois de responder que deveria perdoar até 70 × 7, Jesus suporta este argumento com uma parábola (Mateus 18:23-35), explicando que fomos perdoados sem medida, como colocaríamos agora uma medida para perdoar.

Devemos sempre lembrar que o Senhor Jesus nos amou muito além do «suficiente», Ele nos amou com tudo, muito para além do normal. Assim o nosso desafio em todas as áreas é irmos para além, deixarmos de ser «7», para sermos «70 × 7».

Se eu me calar, as pedras falarão

E, quando já chegava perto da descida do Monte das Oliveiras, toda a multidão dos discípulos, regozijando-se, começou a dar louvores a Deus em alta voz, por todas as maravilhas que tinham visto,
Dizendo: Bendito o Rei que vem em nome do Senhor; paz no céu, e glória nas alturas. E disseram-lhe de entre a multidão alguns dos fariseus: Mestre, repreende os teus discípulos. E, respondendo ele, disse-lhes: Digo-vos que, se estes se calarem, as próprias pedras clamarão.
Lucas 19:37-40

Pensa!

«Vinde a mim, todos os que estais cansados e oprimidos, e eu vos aliviarei. Tomai sobre vós o meu jugo, e aprendei de mim, que sou manso e humilde de coração; e encontrareis descanso para as vossas almas. Porque o meu jugo é suave e o meu fardo é leve.» (Mateus 11:28-30)