No nome de Jesus

Eu, aprecio a forma como Marcos no capítulo 16 do seu livro, relata a Grande Comissão. Há, neste livro, certas frases que sobressaem, tais como: «[…] aos que crerem», «Quem crê […]», «Em meu nome […] eles […] eles […] eles […]», (Marcos 16:17-18). Jesus estava confiante que aqueles que acreditam n´Ele teriam a mesma autoridade que Ele tem para operar grandes sinais e prodígios. A única condição era que cressem no Seu nome, e os resultados seriam garantidos.

A Grande Comissão é enviar. Isto implica estar sob autoridade, pois ninguém se pode enviar a si mesmo. A Grande Comissão não é a grande sugestão. É um mandamento que deve ser obedecido. A autoridade de alguém é determinada pela obediência. Por ser obediente, até a morte, toda a autoridade foi dada a Jesus. Ele, por Sua vez, deu-nos autoridade em Seu nome. É como se nos tivesse sido dada uma procuração, para que possamos fazer a Sua obra, aqui na terra. Usando o nome de Jesus, todas as coisas são colocadas sob os nossos pés.

Há alguns anos, isto tornou-se claro para mim, quando eu pastoreava uma igreja na zona rural do Missouri, nos EUA. Um tornado passou pela nossa área e destruiu a fazenda de um dos nossos membros. Ajudei-os a colocarem as suas vacas no celeiro de um vizinho, para protege-las e serem ordenhadas. Assim que colocamos as vacas em segurança e demos inicio ao processo da ordenha, outro tornado atingiu um pasto ao lado do celeiro, e dirigia-se para o local onde estávamos. Em fé, eu gritei: «Em Nome de Jesus, afasta-te daqui!» Imediatamente o tornado levantou-se e o celeiro foi salvo. Foi uma experiência incrível ver o poder de Deus em ação através da autoridade no nome de Jesus.

Para termos autoridade, devemos estar sob autoridade. Quando Paulo chegou a Éfeso, ele encontrou crentes que tinham entendido o significado do arrependimento, mas que não tinham sido batizados em nome de Jesus. Depois de acreditarem e serem batizados em nome de Jesus o poder de Deus foi liberto. Demónios foram expulsos, sinais e maravilhas ocorreram e deu-se um grande reavivamento. Sete filhos de um sacerdote judeu tentaram expulsar um demónio  mas com resultados negativos. Eles não tinham nenhuma relação pessoal com Jesus e, por isso, não tinham autoridade para usar o Seu nome. O demónio sabia disto e agrediu estes sete jovens tolos.

Porque toda a autoridade foi dada a Jesus, quando nos aproximamos do Pai estamos a fazê-lo em Seu nome. A autoridade que temos é posicional e relacional. É posicional no sentido em que estamos sob a autoridade de Deus por estarmos em Cristo. É relacional porque somos Seus filhos e herdeiros com Cristo. Vamos avançar, sob a Sua autoridade para fazer grandes obras em Seu nome.

Escrituras Para Meditar:
Marcos 16:17-18; Mateus 28:18; Actos 19:11-20; João 16:23-24

A geração de Josué

Quando eu era novo convertido, ouvi profecias que diziam que a nossa geração era a Geração de Josué, e recentemente ouvi isto novamente sobre a geração presente. De alguma maneira, creio que todas as gerações, desde o tempo de Cristo, creram que são a geração que herdará a terra, que entrará no cumprimento das promessas e verá a vinda do Senhor. A rotulagem de uma geração como “baby boomers“, “geração x” os “milénios”, serve para tentar entender as suas peculiaridades e características, mas o seu chamado e destino é o mesmo durante todo o tempo. Cada geração está em transição e cada geração deve cumprir a sua parte no propósito de Deus. Continuar a ler A geração de Josué

Orar até alcançar

Quando eu era criança, lembro-me de ouvir os crentes mais velhos na igreja falar sobre orar “até alcançar”. Na época, eu não entendia o que isso significava, embora fosse parte de muitos dos testemunhos que ouvi. Para alguns, foi uma experiência diária e muitas vezes eles perguntavam uns aos outros: “Hoje, já oraste até alcançar”. Para outros, foi uma experiência de “trabalho de parto” e perseverança em oração. Seja qual for a motivação por trás dessa expressão o objetivo era: “orar até que algo aconteça.” Continuar a ler Orar até alcançar