Autoridade num Nome

Deus criou o homem com um propósito. Ao terminar esta obra-prima da criação, Deus disse ao homem: «Frutificai e multiplicai-vos; enchei a terra e sujeitai-a;  dominai sobre os peixes do mar, sobre as aves dos céus e sobre todo o  animal que rasteja sobre a terra» (Génesis 1:28). A primeira acção do homem para sujeitar a criação foi dar a cada ser vivente um nome, (2:20). A quem dás um nome a esse podes governar. Assim foi estabelecido o princípio da liderança. Deus deu um nome a Adão, e em seguida, o homem deu um nome à mulher (Eva) e nome aos seus filhos, estabelecendo, assim, a ordem da autoridade de Deus na família.

O cumprimento destas ordens divinas foi, no entanto, de curta duração. Em vez de obedecer à autoridade que vinha de cima, (Deus), Adão ouviu e obedeceu a quem ele deveria liderar, Eva, (3:17). Como consequência deste pecado, o homem perdeu a sua autoridade, e foi condenado à morte espiritual e consequentemente física. Houve uma rutura, e o propósito de Deus para o homem foi contrariado. Esta rutura originou a guerra dos sexos, a busca da igualdade, o abuso de autoridade e o caos que é a rebelião. O homem perdeu a  autoridade, mas Deus não perdeu a Sua. Ele ainda era soberano e estava sobre o trono.

Vamos avançar as páginas da história alguns milhares de anos até ao nascimento de  Jesus. O Filho de Deus foi enviado por Deus Pai ao tempo e ao espaço. Ele foi divinamente concebido e o Seu nome foi dado por Deus. O Seu nome, Jesus, que significa Salvador, descreve o Seu propósito. Embora fosse Filho de Deus, Jesus reconheceu que a Sua autoridade vinha da sua relação com o Pai e esta autoridade só estava disponível através da obediência à vontade do Pai. Jesus disse: «[…] o Filho por si mesmo não pode fazer coisa alguma, se não o que vir o Pai fazer; porque tudo quanto Ele faz, o filho faz igualmente» (João 5:19).

Desde o início do seu ministério, muitos observaram que a autoridade de Jesus não era deste mundo. Jesus ensinava com autoridade, ele exercia autoridade sobre a natureza, Ele expulsou demônios com apenas uma palavra, Ele curou os doentes e até ressuscitou mortos. Tudo porque Ele obedecia à vontade do Pai Soberano, que O havia enviado. Ele veio à terra com o nome que Lhe foi dado pelo Seu Pai; e o que Ele disse e fez comprovam esta verdade. O centurião romano reconheceu que Jesus tinha a autoridade de Deus sobre a doença, assim como ele tinha a autoridade civil de Roma sobre os seus soldados. Jesus chamou fé, ao entendimento que o centurião tinha sobre a autoridade. Para as pessoas que estão sob autoridade, é fácil acreditar em Jesus. Toda a autoridade no céu e na terra está no Nome de Jesus.

Escrituras Para Meditar:
Mateus 8:5-13; 28:18; Génesis 1-3; Isaías 9:6; João 3:34; 5:19, 30; I Coríntios 11:3.

Publicado por

Pr. James Reimer

Pr. James Reimer

James Reimer nasceu em Fairbanks, Alaska, EUA. Apesar de ter sido criado num lar cristão, ele envolveu-se no tumulto da década de 60 e entrou na subcultura das drogas. Na véspera de 1971, em Starnberg, Alemanha, a sua vida mudou radicalmente ao ter um encontro com Jesus Cristo. Leia a biografia completa