Orar até Alcançar

Quando eu era criança, lembro-me de ouvir os crentes mais velhos na igreja falar sobre orar «até alcançar». Na época, eu não entendia o que isso significava, embora fosse parte de muitos dos testemunhos que ouvi. Para alguns, foi uma experiência diária e muitas vezes eles perguntavam uns aos outros: «Hoje, já oraste até alcançar?». Para outros, foi uma experiência de «trabalho de parto» e perseverança em oração. Seja qual for a motivação por trás dessa expressão o objetivo era: «orar até que algo aconteça.»

Hoje, nesta sociedade, fast-food, com uma metodologia de «resultados imediatos», poucos têm a paciência e perseverança para orar «até alcançar». A maioria dos crentes oram apressadamente. Dois minutos aqui, mais cinco minutos ali, no carro, enquanto estão a correr para apanhar o autocarro… oram quando podem. Uma vida vivida na «via rápida» tem dificuldades para perseverar. A maioria quer aprender fórmulas para que as suas orações sejam respondidas rapidamente e como eles desejam. Mesmo que esta seja a realidade de muitos, não é a vontade de Deus.

Orar «até alcançar» é tocar o céu. É deixar as distrações e ocupações da vida para descobrir o «esconderijo» de Deus. É deixar de falar para passar a ouvir. É perseverar em oração até que a resposta venha. Elias sabia que quando chegasse o momento de Deus enviar chuva, ele precisava de orar até que isso acontecesse. Ele subiu ao Monte Carmelo e orou. Ele orou sete vezes até que viu no céu uma pequena nuvem a formar-se no horizonte. Elias orou «seja feita a Tua vontade», até que ela fosse feita.

Ao ensinar sobre a fé, Jesus conta a história de um juiz que não era temente a Deus, nem respeitava o homem, a quem uma viúva implorou por justiça contra o seu adversário. Ele não tinha a intenção de ajudar a mulher, mas porque ela persistiu dia após dia, o juiz concedeu e deu-lhe o que ela desejava. Jesus aplicou essa parábola para aqueles que querem ser persistentes em oração diante do Pai. Ele disse: «não fará justiça aos seus escolhidos, que clamam a Ele de dia e de noite?» (Lucas 18:7).  A fé, para Jesus, é a fidelidade. É continuar. É não largar até que seja seu. Esta passagem termina com uma pergunta: «Quando o Filho do Homem vier, encontrará fé na terra?» A oração da fé é «até alcançar.»

Há muitos exemplos nas Escrituras de orações persistentes. Daniel jejuou e orou durante três semanas, até que um anjo veio com a resposta. Ana orou durante grande parte da sua vida, no templo, pela vinda do Messias, até que viu o menino Jesus. Paulo, disse que ele estava mais uma vez em dores de parto, (oração fervorosa), até que Cristo fosse formado nas igrejas da Galácia. Judas, exorta a Igreja a batalhar pela fé, e Tiago diz que quem vacila não receberá respostas às suas orações. Às vezes pergunto-me se paramos de orar cedo demais. Será que Deus não quer ver se estamos realmente empenhados? Estamos desesperados para que a Sua vontade seja feita? Será que temos fome e sede de justiça e do Reino de Deus na terra? O céu está pronto. As promessas de Deus são indiscutíveis. O mundo espera que os crentes de hoje, como no passado, orem com todo o seu coração até que os anjos sejam enviados, até que o mal seja derrotado e a vontade de Deus seja estabelecida. Deus está à procura de um homem ou de uma mulher através de quem possa operar. Deixa que sejas tu.

Escrituras Para Meditar:
Tiago 1:5-8; 5.16; I Reis 18:43-45; Lucas 18:2-8; Gálatas 4:19; Apocalipse 5:8.

Publicado por

Pr. James Reimer

Pr. James Reimer

James Reimer nasceu em Fairbanks, Alaska, EUA. Apesar de ter sido criado num lar cristão, ele envolveu-se no tumulto da década de 60 e entrou na subcultura das drogas. Na véspera de 1971, em Starnberg, Alemanha, a sua vida mudou radicalmente ao ter um encontro com Jesus Cristo. Leia a biografia completa