Um Caminho mais Excelente

[Read the devotional «A More Excellent Way» in English.]

Já alguma vez tiveste a sensação de que há mais, que há algo melhor do que aquilo que experimentaste até agora? Tu podes estar contente, mas ainda não estar satisfeito. Tu podes ver o bom, mas sabes que o melhor ainda está por alcançar. Um atleta olímpico não treina e compete para a medalha de bronze. Ele procura obter a medalha de ouro. Se ele ganhar a de bronze, ou até mesmo a de prata, sorri no pódio, mas sente-se, ainda, desapontado por não ter conseguido o melhor. Realmente, o segundo lugar não nos satisfaz.

No capítulo 12 da primeira Carta aos Coríntios, Paulo compartilha algumas coisas realmente interessantes sobre os dons espirituais e os ministérios. Ele dá algumas orientações de como estes devem funcionar na igreja e incentiva a todos a desejarem tais dons e ministérios. No entanto, no último versículo do capítulo, ele diz que ainda há um caminho mais excelente. No capítulo 13, ele revela qual é esse «ouro» que devemos procurar. É o AMOR!

O amor é um relacionamento. Podemos ser gentis, servir, ser simpáticos e atenciosos, sem nos envolvermos num relacionamento. Podemos ministrar com unção, ser usados nos dons do Espírito e levar multidões à salvação sem estarmos envolvidos num relacionamento. O amor requere envolvimento com alguém. É o partilhar e receber, ensinar e ser ensinado, corrigir e ser corrigido, falar e ser escutado, é estar pronto a perdoar e a ser perdoado e é ser vulnerável e transparente com a pessoa com quem te relacionas. Jesus, a encarnação do amor, esvaziou-Se da Sua divindade para se tornar homem. Ele fez-se fraco, tomou a forma de servo, para que pudesse relacionar-Se connosco.

O amor não é virtual, artificial, externo ou distante. O amor é uma ligação; requer um relacionamento face a face. Jesus deixou o céu para vir à Terra. Ele não nos enviou uma mensagem ou ligou para nós no Skype, Ele relacionou-se connosco, fisicamente, no pior da nossa humanidade. Jesus tomou sobre Si o nosso pecado e as suas consequências, removendo assim a barreira para um relacionamento. Ele fez isso porque Ele nos ama e quer partilhar connosco a vida eterna.

O amor está no ADN do Espírito de Deus. Deus é amor. Quando colocamos a nossa fé em Jesus como nosso Senhor e Salvador, o Seu amor, (ADN), é derramado nos nossos corações pelo Espírito Santo. Paulo disse à igreja de Corinto que era esse amor que o constrangia, (II Coríntios. 5:14). Foi o amor que o fez andar centenas de quilómetros para levar o Evangelho do Reino aos gentios. Foi o amor que o fez corrigir os discípulos quando eles erraram. Foi amor que ele persistiu em dar e dar e dar. O amor reina! Não existem relações vicárias do amor; não há espectadores, só é possível em «primeira mão». É um relacionamento pessoal, um relacionamento »um-a-um».

O bom é muitas vezes o inimigo do melhor. O bom mantém-nos satisfeitos com a mediocridade. O bom mantém-nos estagnados no nosso crescimento e na estatura completa de Cristo. O bom isola o nosso coração onde nos sentimos seguros. O bom limita-nos ao pouco. O amor abre os nossos corações para o mundo. É o fruto da Árvore da Vida. A Fé e a esperança são o bronze e a prata a eternidade, mas o maior, o ouro, é o Amor.

Escrituras Para Meditar:
I Coríntios 13: II Coríntios 5:14; João 3:16; I João 4:7-8; 3:16

Publicado por

Pr. James Reimer

Pr. James Reimer

James Reimer nasceu em Fairbanks, Alaska, EUA. Apesar de ter sido criado num lar cristão, ele envolveu-se no tumulto da década de 60 e entrou na subcultura das drogas. Na véspera de 1971, em Starnberg, Alemanha, a sua vida mudou radicalmente ao ter um encontro com Jesus Cristo. Leia a biografia completa